sexta-feira, 29 de agosto de 2014

CARÊNCIAS - EXCESSOS


Todas as plantas necessitam absorver da terra 13 elementos minerais. São os nutrientes minerais essenciais. De tal maneira que se a terra não tivesse nada de qualquer de esses, a planta morreria, por isso todos são imprescindíveis. Os 13 elementos essenciais são os seguintes:


Afortunadamente, em substratos sempre há de tudo, pelo menos alguns, embora em uns mais que outros. Quando plantemos em vasos deveremos usar um substrato abonado ou em todo caso regar periodicamente com um fertilizante liquido completo. Mesmo assim podem apresentar carências, para saber que carência sofre a nossa planta fizemos este manual.

NITROGÉNIO (N)


Sintomas: Folhagem verde pálido e depois fica amarelo, estes sintomas apresentam-se primeiro nas folhas grandes e baixas que fica murcha e ficam secas prematuramente no fim caem, se a carência continua as folhas novas também amarelecem e o seu pecíolo ficará comprido e extremamente fino.


Causas: a terra na que está a planta não tem nenhuma emenda orgânica que a alimente de este elemento e não recebe nenhuma rega com fertilizantes. 
Prevenção: Usar regularmente um fertilizante completo misturado com a água de rega.

FÓSFORO (P)


Sintomas: As plantas ficam murchas, a folhagem é verde-escuro e apresenta nos contornos das folhas uma cor castanha avermelhada, a raiz apresenta um menor desarrolho e uma cabeleira de raízes secundarias fibrosas. Os pecíolos, talos e nervos tornam-se avermelhados. 
Causas: Abonos com pouco fósforo, incerto PH (por cima de 7 ou por debaixo de 5'5), um excesso de zinco, um excesso de ferro, frio, temperaturas por debaixo de 10º C. podem fazer que este elemento deixe de ser assimilar para as plantas.


Prevenção: Efetuar fertilização com abonos ricos em fósforo e como fertilizantes orgânicos usar guano de morcego ou fosfatos naturais.

POTÁSSIO (K)


sintoma característico é cloroses em volta do limbo, posteriormente o entorno da folha fica deteriorada, as folhas mais novas são pequenas. Afeta o rendimento por uma diminuição do crescimento da raiz e menor quantidade de açúcar. 
Causas: Deficiência no substrato, regas com fertilizantes baixos em potássio ou em baixas doses, sobre todo no período de floração que é quando o mais necessita


Prevenção: Regar com um abono completo, rico em potássio

MAGNÉSIO (Mg)


Sintomas: Amarelecimento das folhas entre as nervuras, aparecem ao principio no borde da parte superior do limbo e depois percorre toda a folha, o borde das folhas se enegrece, começa a requebrar e se deforma, pode-se confundir com os sintomas do vírus de amarelões.
Causas: Deficiência do substrato, excesso de umidade, substratos ácidos, excesso de potássio e cálcio.


Prevenção: Efetuar fertilização com um abono rico em magnésio. Os sais de Epson (epsonita) podem ser usados tanto na rega como nas folhas, para resultados mais rápidos.

CÁLCIO (Ca)


Sintomas: As folhas jovens deformam-se (forma de colher) e curvam-se para o chão. Quando a carência é alta o limbo reduz-se na superfície e começa uma necrose distal, a raiz apresenta os vasos condutores de cor pardo e uma paragem no crescimento. Afeta o rendimento por uma diminuição do crescimento da raiz e menor quantidade de açúcar.
Causas: pH baixos, deficiência do substrato.
Prevenção: Efetuar fertilização com cálcio

FERRO (Fe)


Sintomas: Observa-se uma clorose das folhas centrais, verde pálido seguido de um branqueamento do limbo das folhas.
Causas: PH alto. Deficiência do substrato.
Prevenção: Desce o pH até 6'5 ou menos e efetua fertilização com extractos de ferro. Os estercos de cavalo, galinha e vaca são ricos em ferro. Submergir pregos e parafusos de ferro em água para posteriormente regar com ela.

ENXOFRE (S)


Sintomas: As folhas exteriores começam a tomar uma cor amarelenta no entanto as interiores permanecem verdes, no pecíolo das folhas podem aparecer umas manchas pardas.
Causas: Deficiência do substrato.


Prevenção: Descer o PH até 5'5-6. Efetuar fertilização com abono a base de enxofre.

MANGANÉSIO (Mn)


Sintomas: Manchas de cor amarelo mais ou menos coloradas no limbo das folhas, a cloroses pode invadir todo o limbo, que é então amarelo com as nervuras verde pálido, posteriormente aparecem manchas necróticas esbranquiçadas, os pecíolos estão muito compridos e verticais.
Causas: Deficiência do substrato, pH alto.
Prevenção: Efetuar fertilização com manganésio.

BORO (B)


Sintomas: As folhas jovens da coroa enegrecem e morrem, a cara superior dos pecíolos apresentam manchas castanhas com gretas transversais, a coroa parte-se e apodrece em algumas ocasiões. Pode afetar gravemente o rendimento pelo apodrecimento da a raiz e pela diminuição da quantidade de açúcar por rebentos.
Causas: pH elevado, seca, deficiência do substrato.
 Prevenção: Efetuar fertilização com boro. Pulverização de produtos boratados desde o aparecimento de dos primeiros sintomas.

MOLIBDÉNIO (Mb)


Sintomas: A deficiência por molibdénio não é muito comum. Começa amarelando as folhas velhas e intermédias, desarrolhando cloroses internas em algumas, conforme avança a carência as folhas enrolam-se sobre si mesmas desde as margens, as folhas terminam caindo e o crescimento para.
Causas: Deficiência do substrato. Substrato muito ácido.
Prevenção: Efetuar fertilização com um abono completo.

ZINCO (Zn)



Sintomas: A carência de zinco é mais habitual do que pensamos, e começa como umas riscas brancas nas folhas novas, dobram-se e arrogam-se, Para o crescimento e os cabeços, quando falta em floração, ficam duros e secos.
Causas: Substratos muito alcalinos, deficiência do substrato.
Prevenção: Efetuar fertilização microelementos quelatados

COBRE (Cu)


Sintomas: As folhas jovens e os rebentos murcham-se, depois ficam de cor escuro, o crescimento minga e a planta pode murchar com elevada rapidez se a carência for severa.
Causas: Deficiência do substrato.
Prevenção: Efetuar fertilização com sulfato de cobre ou um fungicida  a base de cobre.

FALTA DE AR (Oxigénio)


Não costuma dar-se em exteriores, mas sim em interiores e estufas, a solução para quando o ar falta nestes sítios é a colocação de um extractor para regenerar o ar.
A falta de oxigênio caracteriza-se por uma queda das pontas das folhas para baixo, em forma de garra y necroses quando é muito severa. Corrige-se regenerando o ar com exautores  ou colocando as plantas ao exterior.

FERTILIZAÇÃO A MAIS


Quando a planta recebe mais nutrientes dos que pode suportar produz-se o excesso de fertilização, embora normalmente o responsável de que isto se produza é o Nitrogênio:
Um excesso está caracterizado por uma cor verde-escuro nas folhas, similar ao que têm as plantas de plástico: brilhante; ainda com queimaduras nas pontas das folhas, retorcendo-se para abaixo.
Um excesso grave, fará que as folhas se queimem por completo e caíam, podendo chegar a matar a planta. A solução a este problema é a lavagem, o que muitos chamam por "lavagem de raízes" e isto não é mais do que regar a planta com 4 vezes a capacidade do vaso, isto é, se o vaso tem 5 litros de capacidade, deveremos lavar com ao menos 20 litros de água, isto fará que o excesso de abono vá desaparecendo, ao menos deveria ser assim. Uma vez feito este processo, regaremos com um abono suave.
O excesso de nutrientes também faz que as folhas se deformem ou se partam.

EXCESSO DE REGA



Darmos rega a mais pode ocasionar, fungos nas raízes, que os abonos que retêm a terra sejam arrastados pela água deixando a planta sem nutrientes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMO FAZER CULTIVO DE CANNABIS PASSO A PASSO "MACONHA"